Valeria Barbosa

Dia do Orgulho LGBTQIA+. Porque ele é necessário

Um dia para refletir e comemorar.

Poucos conceitos são absolutos. Na maioria esmagadora das vezes, as histórias que compõem nossas vidas estão sujeitas à interpretações, percepções de acordo com o olhar de cada um. Entre as exceções, o que não está (ou não deveria estar) aberto para discussão, é a tolerância com qualquer tipo de injustiça. Afinal, preconceito é isso: o espaço que damos, como sociedade, para a discriminação com base em fatores absolutamente irrelevantes em ambientes comuns. A orientação sexual deveria ter o mesmo peso na trajetória de alguém que tem a cor de seus olhos, o número de sapato que calça ou o tipo de comida que mais gosta. Como bem diz

Dr Drauzio Varella

, se te incomoda o fato do seu vizinho dormir com outro homem ou da sua colega de trabalho ser apaixonada por uma mulher, você não está legal, procure um psiquiatra.

Aqui, vale o mesmo para o preconceito contra outras minorias: as posições que tomamos nas situações mais simples é que vão construir o futuro. Rir de piadinha homofóbica, lançar aquele olhar repressor ao um casal gay de mãos dadas, repetir (se achando super liberal) que só não quer ter filho homossexual para que a criança não sofra, achar que “tudo bem ser gay, não precisa ser afeminado”… enfim, tudo isso alimenta uma cultura que humilha, exclui e mata gente ao redor do mundo.

Se você acha que não é tão grave assim, temos duas sugestões de filme que mostram os efeitos devastadores da homofobia: “Jogo da Imitação”, que conta a história do cara que foi fundamental para o fim da 1aGM e “The Normal Heart”, sobre a demora do governo norte americano para responder à epidemia de AIDS, por achar que o vírus “só contaminava gays”.

Por isso tudo é que precisamos do Dia do Orgulho LGBTQIA+, pra refletir o nosso papel e celebrar, senão a realidade, a perspectiva de que um dia vamos viver em um mundo onde o amor (porque é disso que se trata) não seja tema de debates polêmicos.

 

Valeria Barbosa é colaboradora voluntária do Instituto Mundo Aflora.

Veja também

Tráfico de drogas no trabalho infantil

Mundo Aflora Vivendo em um conjunto habitacional, testemunhei de perto muitas trajetórias de crianças e adolescentes que cruzaram caminhos no

Somos a favor de quais vidas?

Mundo Aflora Há vidas que valem mais do que outras? Este é a nossa primeira reação ao conhecer a Lei

Cadê a mãe dessa menina?

Mundo Aflora Essa cobrança, que já soa familiar para tantas mães, reflete uma antiga e injusta tendência de responsabilizar exclusivamente

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Quer nos apoiar ?

Clique no botão para ir para a página de doações
© 2021, Mundo Aflora. Todos os direitos reservados
CNPJ: 26.159.982/0001-52