O instituto Mundo Aflora atua em três frentes principais:

Dentro dos centros de medidas socioeducativas, com programas de fortalecimento de vínculos e aumento de repertório em habilidades socioemocionais, socioeconômicas e direitos humanos;

Articulação de rede e advocacy, com seminários, desenho de políticas públicas para essa população e informação sobre práticas restaurativas dentro do contexto da justiça;

Encaminhamento das meninas pós medida com mentoria e oportunidades de cursos e trabalho.

O que fazemos

Programas dentro dos centros

O Instituto Mundo Aflora atua dentro dos centros de medidas socioeducativas com programas humanizados de fortalecimento de vínculos e aumento de repertório em habilidades socioemocionais, socioeconômicas e direitos humanos;

De Olho nos Talentos

O objetivo do Programa “De Olho nos Talentos” é criar um elo de confiança com as adolescentes a partir de diálogos saudáveis. O Mundo Aflora capacita as jovens, contribui para o aumento de sua auto-estima e constrói uma ponte entre elas e possíveis oportunidades de trabalho, capacitações e estudo.

Conversando com adolescentes que já passaram por medidas socioeducativas, identificamos uma inabilidade de saber quais são os próximos passos para fazer uma mudança de vida, o que resulta em angústia, depressão, sensação de estarem perdidas, novo envolvimento com delitos e distanciamento dos estudos. Este programa almeja encorajá-las a acreditarem em si mesmas e a visualizar a concretização de seus sonhos.

Atividades realizadas com parceiros desde 2016: Oficina de Empatia, facilitada pelo Carlotas; Curso Eupreendedorismo, facilitado pelo Edu Seidenthal; partida de futebol com a Perifeminas; Processos Circulares, facilitado pelo Circula Mundo; aulas de yoga, facilitadas pela Actveda; Projeto Sonora; Jornalismo e educação, com a jornalista da GloboNews, Aline Midlej; Cuidados da pele e sexualidade, com o dermatologista Dr. Luiz Perez; História de superação, com a ex-egressa Esmeralda Ortiz; História de superação, com o psicólogo e ex-egresso Emerson Ferreira, do Reflexões da Liberdade; Coragem, com a jornalista Renata Veneri; entre outras.

Programa Vozes

Grande parte das jovens envolvidas no sistema de justiça juvenil experimentou anteriormente traumas decorrentes de abuso físico ou emocional, violência e vício no ambiente familiar ou em sua comunidade. Assim, as jovens correm grande risco de recaída após a sua liberação devido ao que chamamos de “ciclo do trauma”, que pode levar a reincidência.

Nesse sentido, o Instituto Mundo Aflora iniciou no Brasil, em 2019, o piloto “VOZES! Um programa de auto-conhecimento para potencializar meninas” na Fundação Casa, em São Paulo. Criado pela psicóloga norte-americana Stephanie Covington, a partir de uma metodologia específica para o gênero feminino, a fim de ajudar meninas adolescentes a superarem o ciclo do trauma, e a se transformarem por meio da autodescoberta e do empoderamento. O programa foi aplicado com sucesso em contextos de justiça nos EUA, Inglaterra e Austrália, e a longo prazo, o objetivo é difundir essa metodologia para outras configurações de justiça feminina no país.

O piloto foi implementado em 2019, com dez meninas da Casa Feminina Parada de Taipas, e conta com a parceria do Centro de Estudos e Atendimento a Vítima de Trauma do Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Clínica da PUCSP para mensuração do impacto social. Ao exercitarem suas vozes num contexto coletivo, as participantes revisitam suas próprias histórias, aprendem a confiar em si mesmas e apoiam umas às outras. O programa almeja o fortalecimento das jovens mulheres, a melhora da qualidade de vida e a redução da reincidência.

Articulação

Sabemos que são poucas políticas públicas desenhadas para as necessidades de meninas em alta vulnerabilidade no Brasil. Esse dado se agrava quando falamos sobre o sistema de justiça juvenil e prisional, pois todas as políticas são voltadas para o maior número da população, os meninos e homens. Por esse motivo, e pelas meninas e mulheres serem abandonadas por suas famílias e companheiros depois que elas passam pelo sistema de justiça, precisa-se ainda mais de assistência para sua reintegração e a construção de uma vida digna.

Trazer esse assunto para a pauta dentro das secretarias municipais e estaduais se faz urgente, assim como articulação com deputados e senadores para aprovarem orçamentos públicos para essa população. Além disso, se faz necessário o engajamento do setor privado e veículos de comunicação para serem parceiros nessa reintegração, oportunidades de trabalho e desconstrução do preconceito em relação a elas.

Hoje não existe nenhuma organização ou política pública específica para jovens que estão em conflito com a lei, principalmente com o olhar de informação ao trauma e desenho de políticas públicas com foco em trauma responsivo dentro do sistema de justiça juvenil. Nós, do Mundo Aflora, ouvimos as necessidades das meninas e pensamos juntos com a nossa rede de parceiros para cobrir as lacunas existentes.

Mundão

Adolescentes em situação de justiça muitas vezes se encontram sozinhos à medida que são estigmatizados pela sociedade e abandonados por sua família. Assim, para ajudar nesse processo, a organização definiu seu papel na construção da confiança, por meio do Programa de Olhos dos Talentos, para as meninas adolescentes nos procurarem em sua saída.

O Instituto Mundo Aflora realiza parceria com empresas e organizações que possam oferecer o primeiro emprego e oportunidades educacionais na saída das jovens que passaram por medidas socioeducativas. Encaminhamos as jovens com o perfil pré acordado com o parceiro.

Nosso Pedido: Empresas e organizações que estão comprometidas com a visão do Instituto em oferecer oportunidades às jovens Mundo Aflora, seja nosso parceiro.

Outro objetivo do Mundo Aflora é colocar as meninas em contato com mentores comprometidos em dedicar tempo a elas usando sua trajetória, experiência e paixão, por meio de uma seleção de pessoas que queiram transformar vidas. Se interessou? Entre em contato conosco.