Vozes Negras, Um Assunto de Todos Nós

Vozes Negras, Um Assunto de Todos Nós

Vozes Negras, Um Assunto de Todos Nós

12/10/2020

Recentemente o Instituto Mundo Aflora apresentou os resultados do estudo do projeto VOZES! que conduziu em parceria com a PUC-SP.  O VOZES! é um programa de quebra de ciclo do trauma realizado com meninas em situação de alto risco de vulnerabilidade social.  Os resultados do estudo são otimistas e inspiradores.  Mas indo além dos dados quantitativos e qualitativos apresentados, o que mais me marcou foi entender como a fala e a escuta, duas características tão inerentes à maioria dos seres humanos, podem ter efeitos tão desfavoráveis quando não lhes é concedido o devido espaço.  Em linhas gerais, as meninas que participaram do VOZES! tiveram a oportunidade de contar suas histórias e de serem escutadas.  Parece simples, não é?  Mas para que elas pudessem falar sem medo e sem se auto-recriminar, sem se defender ou atacar foi preciso proporcionar um outro lado disposto a escutar com empatia e acolhimento, sem pré-conceitos ou pré-julgamentos e com muita pré-disposição. 

É fundamental sentirmos que existe um espaço e um interesse genuínos pela nossa fala.  Ter voz não é só ter permissão para “falar”.  Ter voz é falar e ser verdadeiramente escutado, é ser considerado e respeitado como cidadão e como ser humano.

O projeto VOZES! vem como mais uma confirmação de como ter e dar voz é essencial se queremos causar qualquer tipo de mudança ao nosso redor.  As meninas da Fundação Casa Parada de Taipas que participaram do programa sentiram isso na prática e no dia a dia.  Se vimos resultados tão positivos em um ambiente reduzido, o que dizer então da importância de dar e ter voz para promover transformações sociais em grande escala?

E olhando para nosso país hoje, que parece estar cada vez mais polarizado, será que existe uma voz que merece ter mais espaço na nossa sociedade? 

Talvez seja impossível encontrar uma única voz que represente todas as pessoas, todos os problemas e interesses de todas as camadas sociais.  Mas uma voz que me parece sim falar em uníssono e que todos nós deveríamos estar preocupados em ouvir é a voz das mulheres negras.

A mulher negra no Brasil infelizmente ainda resume a realidade dos menos favorecidos da nossa sociedade.  Daqueles que tem menos voz, mas que são tantos.  É uma questão que vai além do debate de raça e gênero e que adentra os problemas da periferia, do sistema sócio educativo e carcerário, da violência doméstica, da desigualdade social, do emprego informal. 

A ONU Mulheres, braço da ONU criado em 2010 para unir, fortalecer e ampliar os esforços mundiais em defesa dos direitos humanos das mulheres no Brasil e no mundo, aponta que:

  • As mulheres negras no Brasil são 55,6 milhões, chefiam 41,1% das famílias negras e recebem, em média, 58,2% da renda das mulheres brancas, de acordo com os dados de 2015 extraídos do Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça.
  • Em cada três mulheres presas, duas são negras num total de 37, 8 mil detentas – quantidade que se elevou em 545%, entre 2000 e 2015, de acordo com o Infopen Mulher.

Se a figura da mulher negra representa tanto do nosso país, por que então temos tão poucas mulheres negras com representatividade oficial?  Por que damos tão pouca voz à elas para promoverem mudanças na nossa sociedade?

E não estou falando das Martas, Dianes, Ludimillas, Elzas e Karóis.  Essas tem sim sua importância e méritos e, felizmente, são muitas no currículo cultural e esportivo do nosso país.  Mas o que precisamos são mais, muito mais Marielles, Marinas e Djamillas. 

Essas infelizmente ainda são poucas, quase que exceções.

Sem dúvida já existem importantes conquistas a caminho como a determinação de cotas de gênero nos partidos políticos e as cotas de distribuição de verbas de campanha eleitoral para candidatas mulheres e, recentemente aprovada, para candidatos negros.   Nunca tivemos um número tão grande de candidatos negros e candidatas mulheres disputando as eleições municipais como temos esse ano. 

Mas ainda não é suficiente. 

A mulher negra precisa de muito mais espaço de influência e de tomada de decisão na sociedade e no poder público.

  • As mulheres negras compõem 25% da população brasileira mas ocupam somente 3% das prefeituras nos municípios do país.
  • Atualmente em São Paulo, dos 55 vereadores na Câmara somente 8 são mulheres.  Nenhuma é negra.
  • Nas eleições deste ano, só 13% dos mais de 19.000 candidatos a prefeito em todo o país são mulheres.  4,5% são mulheres negras.
  • Dos 14 candidatos a prefeito em São Paulo, somente 3 são mulheres e só 1 é negra.

Mudar esse cenário é um assunto que não podemos mais adiar. E para isso é preciso que toda a sociedade se mobilize, que seja um desejo e interesse genuínos e coletivos.

Essa questão diz respeito a todos nós sim.

Dia 15 de novembro esta aí batendo na porta.  Cada um de nós terá a chance e a responsabilidade de apertar 2 vezes o botão verde CONFIRMA.  O número de candidatas mulheres negras ainda é baixo, mas não é inexistente.

Dê voz à uma representante negra na sociedade. 

Voz à quem tem histórias tão importantes para contar, à quem tem direito a um espaço maior de representatividade, à quem pode mudar uma realidade que afeta todos nós.

  Por Valeria Barbosa, colaboradora voluntária do Instituto Mundo Aflora.

Impermanência
10-23-20

Têm dias em que acordamos com o pé direito, felizes, com um sorriso no rosto, dando bom dia para as pessoas com as quais vivemos, para as pessoas que encontramos no elevador, para os passarinhos, as flores e até para a nossa própria sombra. Mas t ...

SAIBA MAIS
Falar sobre empatia é fácil
10-23-20

Falar sobre empatia é fácil. O difícil é colocá-la em prática. Exercer empatia é um desafio horário porque, não raro, nos deparamos com situações desconfortáveis que colocam em cheque nossas certezas. Sempre que posso, pergunto se é mais ...

SAIBA MAIS
A comunicação feminista pode salvar vidas
10-23-20

Jornalistas amam dados, números que ajudam a mostrar o tamanho de um problema ou da solução. O índice de analfabetismo de um país, números de mortos em uma guerra, a quantidade de pessoas infectadas por uma nova doença. Acontece que, depende ...

SAIBA MAIS
Apaixonada por Histórias por Luanda Vieira
10-23-20

A jornalista Luanda Vieira conta sua história para blog do Instituto Mundo Aflora. Uma mulher sonhadora e determinada que conquistou seus sonhos e que nos inspira. ...

SAIBA MAIS
Dia do Orgulho LGBTQIA+. Porque ele é necessário.
10-23-20

Falamos um pouco sobre a nossa visão da necessidade de ter um dia para refletir e celebrar o amor, independente de qualquer coisa. ...

SAIBA MAIS
30 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente
10-23-20

A 30 anos o Brasil fez uma escolha que mudou os rumos da política pública da infância e adolescência em nosso país, promulgando aquele que seria, e ao nosso ver ainda é, a mais importante legislação infra-constitucional do país: O Estatuto d ...

SAIBA MAIS
Minha história, contada por mim.
10-23-20

Jessica* é uma jovem que teve que amadurecer cedo demais, com 9 anos, com a infância roubada acabou se envolvendo com amizades erradas e passou um tempo no sistema socioeducativo. Você já parou para escutar a história de uma jovem com esse passa ...

SAIBA MAIS
Gota no Balde
10-23-20

Podemos ser a primeira ou a última gota no balde de alguém, mas o que importa é sabermos que podemos todos impactar a vida de outra pessoa e contribuir para a sua transformação pessoal. ...

SAIBA MAIS
Setembro Amarelo. A importância de falar sobre o que se sente
10-23-20

A campanha Setembro Amarelo é uma iniciativa para ajudar a acabar com o tabu de se falar sobre suicídio. O que preocupa no Brasil é que o maior aumento de suicídios é registrado entre jovens de 15 a 25 anos. Precisamos falar abertamente sobre o ...

SAIBA MAIS