Por que escolhi o Mundo Aflora?

Por que escolhi o Mundo Aflora?

Por que escolhi o Mundo Aflora?

20/12/2021

Às 8 horas estávamos na Fundação Casa do Bom Retiro.   Fomos muito bem recebidos, todas da administração estavam felizes por divulgarmos mais uma vez o projeto para as meninas.  Nós, do MUNDO AFLORA, estávamos ansiosas. Fazia tempo que o projeto era presencial, mas em decorrência da covid-19 todos os encontros foram on-line. Para algumas de nós era a primeira vez, para outras significava uma questão de reencontro, era uma continuidade de projeto. Eu mesma nunca havia estado por ali, apesar que este nome (antiga FEBEM) estar permeando minha adolescência. Como todos, guardamos nossos pertences e passamos por detector de metais. Então foi quando o barulho da grade deu azo à nossa entrada, e em questão de alguns passos senti o portão às minhas costas se fechar. Sim, eu estava ali dentro. Quando entrei, me vi cercada por umas trinta meninas, todas organizadas com roupas de cores iguais, de meias e chinelos, e suas máscaras devidamente comportadas ao rosto. A presidente do projeto começou a explicar porque estávamos ali. E mesmo sob o olhar tímido delas, aos poucos fomos explicando quem éramos e qual a função do nosso projeto.  Em questão de segundos, notou-se um primeiro sorriso, uma primeira interação. Sim, elas estavam conosco de corpo e alma.  – Ah, mais o que o projeto faz? – Ele será aqui dentro ou quando a gente sair? Perguntas, risadas aos montes, broncas porque todas queriam falar ao mesmo tempo. Sim, como toda adolescente, estavam amando interagir. Quando perguntamos sobre sonhos, facilmente se manifestaram. Já tinham tudo definido, com toda certeza aquilo que saiu tão rapidamente, muito provável já teria sondado os seus devaneios frequentes. “Quero ser médica". "Eu quero ser cantora". "E eu cabeleireira". "Eu não, eu quero ser advogada...” Seus olhos brilhavam.  Em meio a tantas manifestações sobre seus sonhos, pois este foi um dos momentos mais agitados entre nós, novamente me senti completamente imersa em minha adolescência, quatorze anos atrás. Quatorze anos atrás... eu vivia na zona sul da capital paulista, próximo a Parelheiros. Quantas vezes andava pelo bairro, praticamente levitando de tanto sonhar, planejava, arquitetava minuciosamente meus próximos dez anos. E agora, com quase trinta, passo a relembrar meu bairro. Bairro simples, com recursos escassos.  Biblioteca tínhamos, mas era tão longe e inviável de ir, sem contar que fiquei sabendo da sua existência faz menos de um ano. Escola. Infelizmente, a rede pública não conseguia dar vazão aos estudos das crianças, eu mesma aprendi a ler e escrever com mais ou menos 10 anos de idade.  Saneamento básico, lembro-me muito bem que uma tia minha vivia com um esgoto aberto em frente à sua casa.  E, infelizmente, no meu bairro, na rua de baixo, tínhamos envolvimentos com drogas e erros de todo tipo. Perdi alguns próximos nessa rua. Quando se é criança, essa realidade nem sempre é um problema... problema. Gastar quase duas horas para ir a Santo Amaro em pé no ônibus era até motivo de brincadeira, sem contar quando se podia passar sob a catraca.  O problema é quando nos tornamos adolescentes, e ninguém consegue explicar, racionalmente e com palavras simples, sobre o porquê da desigualdade social.  “Senhora, senhora.” Nossa, senhora eu? Alguém estava solicitando que eu saísse dos meus pensamentos internos.  Uma das meninas estava me chamando. Ela dizia que fazia poemas e que era boa nisso. Foi muito interessante ouvir, pois eu na mesma idade dela amava escrever, fazia poemas também. Tenho o meu caderno de anotações até hoje guardado. Quando eu estava saindo da ala, essa mesma mocinha me puxou e insistiu que eu lesse um dos poemas que ela havia escrito. Vi então um papel Kraft estendido na parede com uns versos escritos em preto. O título era sobre o Preconceito.  Sabe, aquilo me deu um nó na garganta. Sim, meu amor, o preconceito. Além da luta contra o mínimo para sobreviver, para estudar, para tornar nossos sonhos possíveis, ainda temos o preconceito... Caminhando. Entre as portas e cadeados que novamente voltavam a se abrir, tive a certeza de que em cada uma daquelas meninas tinha um pouco de mim, um pouco dos meus quinze anos, e se eu não estive lá, foi apenas porque tive a sorte de morar na rua de cima. Por essa razão, nada mais que necessário fazer parte de um projeto que busca desenvolver e tornar reais os sonhos dessas meninas. Um projeto que diz que é possível... e estende a mão a elas.   Texto da Sara Almeida Vieira Monteiro, advogada, voluntária do Instituto Mundo Aflora.  

Impermanência
01-28-22

Têm dias em que acordamos com o pé direito, felizes, com um sorriso no rosto, dando bom dia para as pessoas com as quais vivemos, para as pessoas que encontramos no elevador, para os passarinhos, as flores e até para a nossa própria sombra. Mas t ...

SAIBA MAIS
Falar sobre empatia é fácil
01-28-22

Falar sobre empatia é fácil. O difícil é colocá-la em prática. Exercer empatia é um desafio horário porque, não raro, nos deparamos com situações desconfortáveis que colocam em cheque nossas certezas. Sempre que posso, pergunto se é mais ...

SAIBA MAIS
A comunicação feminista pode salvar vidas
01-28-22

Jornalistas amam dados, números que ajudam a mostrar o tamanho de um problema ou da solução. O índice de analfabetismo de um país, números de mortos em uma guerra, a quantidade de pessoas infectadas por uma nova doença. Acontece que, depende ...

SAIBA MAIS
Pela Vida Segura das Crianças e Adolescentes Paulistas
01-28-22

Cada vida adolescente importa, e é possível e urgente prevenir mortes violentas na adolescência. Essa certeza orienta a atuação do Comitê Paulista pela Prevenção de Homicídios na Adolescência (CPPHA) frente ao desafio da violência letal qu ...

SAIBA MAIS
Apaixonada por Histórias por Luanda Vieira
01-28-22

A jornalista Luanda Vieira conta sua história para blog do Instituto Mundo Aflora. Uma mulher sonhadora e determinada que conquistou seus sonhos e que nos inspira. ...

SAIBA MAIS
Dia do Orgulho LGBTQIA+. Porque ele é necessário.
01-28-22

Falamos um pouco sobre a nossa visão da necessidade de ter um dia para refletir e celebrar o amor, independente de qualquer coisa. ...

SAIBA MAIS
Rights, Opportunities and Choices: A day with Instituto Mundo Aflora
01-28-22

Lucas Neustadt (he/him) is a volunteer that does English language translation for Instituto Mundo Aflora. He recently went on a trip inside the detention centers with the team and felt compelled to write about his experience. He would like you to kno ...

SAIBA MAIS
30 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente
01-28-22

A 30 anos o Brasil fez uma escolha que mudou os rumos da política pública da infância e adolescência em nosso país, promulgando aquele que seria, e ao nosso ver ainda é, a mais importante legislação infra-constitucional do país: O Estatuto d ...

SAIBA MAIS
Minha história, contada por mim.
01-28-22

Jessica* é uma jovem que teve que amadurecer cedo demais, com 9 anos, com a infância roubada acabou se envolvendo com amizades erradas e passou um tempo no sistema socioeducativo. Você já parou para escutar a história de uma jovem com esse passa ...

SAIBA MAIS
Gota no Balde
01-28-22

Podemos ser a primeira ou a última gota no balde de alguém, mas o que importa é sabermos que podemos todos impactar a vida de outra pessoa e contribuir para a sua transformação pessoal. ...

SAIBA MAIS
Setembro Amarelo. A importância de falar sobre o que se sente
01-28-22

A campanha Setembro Amarelo é uma iniciativa para ajudar a acabar com o tabu de se falar sobre suicídio. O que preocupa no Brasil é que o maior aumento de suicídios é registrado entre jovens de 15 a 25 anos. Precisamos falar abertamente sobre o ...

SAIBA MAIS
Vozes Negras, Um Assunto de Todos Nós
01-28-22

Ter voz não é só ter permissão para “falar”.  Ter voz é falar e ser verdadeiramente escutado, é ser considerado e respeitado como cidadão e como ser humano. ...

SAIBA MAIS
Todo Dia é Dia de Doar
01-28-22

Doar não deve ser apenas uma forma de reparar e aliviar nossas atitudes consumistas.  ...

SAIBA MAIS
72 Anos da Declaração dos Direitos Humanos.  Uma data para celebrar ou refletir?
01-28-22

72 Anos da Declaração dos Direitos Humanos Uma data para celebrar ou refletir? ...

SAIBA MAIS
Minha história contada por mim, Esther.
01-28-22

Meu nome é Esther e quero contar minha história para vocês. ...

SAIBA MAIS