Apaixonada por Histórias por Luanda Vieira

Apaixonada por Histórias por Luanda Vieira

Apaixonada por Histórias por Luanda Vieira

26/06/2020

Ser apaixonada por histórias é uma coisa que vem desde criança. Acredito que seja assim com a maioria dos jornalistas, mas no meio da minha coleção de revistas (minha mãe assinava todos os títulos que existiam no mercado brasileiro, sem exagero, sobre vários assuntos) também me apaixonei pelo balé clássico. Aos seis anos de idade um ortopedista indicou a prática para corrigir minha postura e aos 17 eu não pensava em outra coisa, a não ser me tornar bailarina profissional. Com duas malas de 20kg cada cheguei em Nova York para realizar esse sonho estrutural: o de me profissionalizar na cidade que tudo pode e provar que eu também poderia estar exatamente onde eu quisesse. Ser capricorniana é assim, sempre. Fiz um curso de verão no Dance Theatre of Harlem e ingressei no Alvin Ailey. Após uma lesão no joelho, voltei ao Brasil para a cirurgia e pronta para colocar em prática o meu plano inicial, o de ser jornalista. Independente de contar histórias no palco ou na revista, a paixão pela moda, principalmente pela fotografia de street style, foi a única coisa que caminhou comigo durante todas as fases. Fazer jornalismo no Mackenzie, em São Paulo, significa passar dois anos da faculdade estudando no período da tarde - o pior horário para encontrar um estágio bacana ou com o seu perfil. Aproveitei para escrever para diversos blogs no tempo livre e a minha dedicação me levou até a ser “editora”, na época, de um que nem existe mais, chamado Loopstyle. Depois estagiei em sites de celebridades; e passei um período cobrindo Cidade no Metro Jornal (aquele do grupo Bandeirantes distribuídos gratuitamente no farol). Mas com a cabeça sempre no jornalismo de moda ou cultural. Me formei sem emprego, mas logo veio uma proposta de ser freelancer no Prêmio Editora Globo de Jornalismo. E foi ali, em 2018, que começou a minha estratégia até ser editora de Moda na Glamour. A única coisa em comum que eu tinha com a Comunicação Corporativa era o meu TCC: uma agência de comunicação criada para criar uma nova estratégia para as Quebradeiras de Coco do Maranhão, que até ganhou o prêmio nacional Expocom de melhor trabalho do ano. Aqui preciso explicar que o que me levou a fazer um trabalho de conclusão de curso completamente fora da minha área de interesse foram as minhas notas. A coordenadora do curso, na época, escolheu três pessoas para confiar um serviço encomendado à faculdade. Aceitei pela honra. O freela na Editora acabou virando fixo e por lá fiquei durante quatro anos. Foi um período de muito aprendizado e a melhor oportunidade de conhecer as pessoas que eu trabalho diretamente hoje. Migrar para a área que eu realmente gostava demorou, mas hoje vejo que foi no tempo certo. Cheguei à Glamour num período de mudança editorial em que as equipes do digital e impresso passaram a ser integradas. Foi ali, também, que vi a necessidade de estudar sobre diversidade e inclusão. E hoje, além de tratar a moda como ferramenta de representatividade, faço parte do Comitê Global de Diversidade e Inclusão da Condé Nast. Ocupar esse espaço não poderia ser mais relevante para mim, ainda mais em um momento de mudanças inéditas como esse que estamos vivendo!   Luanda Vieira é editora de moda da Glamour e faz parte do Comitê Global de Diversidade e Inclusão da Condé Nast. Siga @luandavieira no Instagram   Leia também os outros posts do blog e navegue em nosso site para conhecer mais sobre nosso trabalho.

Impermanência
09-24-20

Têm dias em que acordamos com o pé direito, felizes, com um sorriso no rosto, dando bom dia para as pessoas com as quais vivemos, para as pessoas que encontramos no elevador, para os passarinhos, as flores e até para a nossa própria sombra. Mas t ...

SAIBA MAIS
Falar sobre empatia é fácil
09-24-20

Falar sobre empatia é fácil. O difícil é colocá-la em prática. Exercer empatia é um desafio horário porque, não raro, nos deparamos com situações desconfortáveis que colocam em cheque nossas certezas. Sempre que posso, pergunto se é mais ...

SAIBA MAIS
A comunicação feminista pode salvar vidas
09-24-20

Jornalistas amam dados, números que ajudam a mostrar o tamanho de um problema ou da solução. O índice de analfabetismo de um país, números de mortos em uma guerra, a quantidade de pessoas infectadas por uma nova doença. Acontece que, depende ...

SAIBA MAIS
Dia do Orgulho LGBTQIA+. Porque ele é necessário.
09-24-20

Falamos um pouco sobre a nossa visão da necessidade de ter um dia para refletir e celebrar o amor, independente de qualquer coisa. ...

SAIBA MAIS
30 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente
09-24-20

A 30 anos o Brasil fez uma escolha que mudou os rumos da política pública da infância e adolescência em nosso país, promulgando aquele que seria, e ao nosso ver ainda é, a mais importante legislação infra-constitucional do país: O Estatuto d ...

SAIBA MAIS
Minha história, contada por mim.
09-24-20

Jessica* é uma jovem que teve que amadurecer cedo demais, com 9 anos, com a infância roubada acabou se envolvendo com amizades erradas e passou um tempo no sistema socioeducativo. Você já parou para escutar a história de uma jovem com esse passa ...

SAIBA MAIS